Image Slider

quinta-feira, 1 de dezembro de 2016

Review: Arrow 5x08 - "Invasion! (2)"

 Atenção: a resenha abaixo contém spoilers do episódio "Invasion!", a segunda parte do crossover da DCTV de 2016, exibido no dia 30/11/16.

arrow invasion

Leia aqui a resenha da primeira parte do crossover, em The Flash!

O centésimo episódio de Arrow chega arrasando, e bem no meio de um crossover! Confesso que desde que ouvi que o episódio 100 ia ser no crossover, eu achei péssimo, também odiei todos os spoilers que tinham saído até ontem, maaaas não só de coisas ruins é feito 2016, por incrível que pareça! E, no fim, o centésimo episódio trouxe de volta muitos pontos positivos de Arrow. Amém.

No final da primeira parte do crossover em The Flash, vimos Oliver, Digg, Thea, Sara e Ray serem abduzidos pelos alienígenas que eles estão enfrentando. Logo no início desse episódio, vemos que eles estão em algum mundo imaginário. Apesar das regras desse universo não serem muito claras, apesar de ser alguma criação coletiva de um universo que lhes dê algo que eles querem – não necessariamente perfeição, mas algo que assemelhe um ideal bem o suficiente para não quererem ir embora. Como o personagem principal é o Oliver, é óbvio que o foco principal é nele e o acompanhamos em um mundo em que o Gambit nunca existiu.

A primeira grande mudança desse mundo é a presença da Laurel, que não só está viva, mas prestes a casar com o Oliver. Sara e Laurel têm uma relação ótima, e pelo o que parece o romance entre Oliver e Sara nunca aconteceu. Moira e Robert, pais do Oliver e da Thea, estão vivos também, apoiam o casamento e são todos uma família perfeita. Basicamente, todos estão muito felizes, com a vida que provavelmente Oliver imaginava que teria antes do acidente acontecer.

Logo no início, enquanto interage com Laurel e seus pais, Oliver percebe algo de estranho, mas vai deixando de lado, até que ele e o pai saem, ele vê um prédio da Smoak Tech e, logo em seguida, é quase assaltado, mas impedido por um arqueiro. Vemos o Oliver cada vez tendo mais visões, enquanto vai entrando em contato com mais coisas do seu passado, até que é levado até seu próprio esconderijo, que agora não é mais dele, e sim de Digg – que assumiu o lugar de arqueiro – e Felicity, que continua sendo ela mesma. Oliver se lembra de Digg e, ao ter visões e lembrar da sua vida com a Felicity, percebe que esse mundo não está certo.

É claro que Digg inicialmente diz que ele está maluco e o mando embora, o que Oliver até tenta fazer, tentando se contentar com esse mundo perfeito e ir casar com Laurel. Só que John acaba tendo suas próprias visões e vai atrás de Oliver, com os dois concordando que, afinal, esse universo era uma ilusão. Só que quando eles percebem, Slade aparece, como uma manifestação inconsciente para impedir que eles saiam dali, e eles só são salvos porque Sara aparece para lutar e derrota Slade em cinco segundos.

queen family 5x08

Sara acredita rapidamente que esse mundo não é real, consegue convencer Ray, que estava ali só de figurante praticamente, e só falta a Thea. Gente, que amor é a Thea? Apesar de ter percebido que aquele mundo era uma ilusão, Thea não quer ir embora. Seus pais estão vivos ali, Malcolm não é uma má influência, todos estão felizes, por que ela deveria querer voltar? Eu entendo a Thea, e o Oliver também, porque ele aceita a escolha da irmã.

As cenas entre a família Queen são as mais bonitas, eu amei ver a Moira de novo e ver todos os quatro interagindo foi um presente divino. Oliver tem a chance de se despedir de seus pais, algo que ele nunca pôde fazer, já que os dois morreram de forma bastante repentina e trágica, e abraçá-los uma última vez. Juro que o abraço entre Oliver e Moira podia ter durado os quarenta minutos do episódio e eu ia ficar vendo feliz da vida. Melhor cena dessa temporada inteira!

A conversa entre Oliver e Thea também é maravilhosa, em que Oliver diz que não fez todos os sacrifícios que fez para ganhar alguma recompensa depois e ele precisa voltar par ao mundo real, porque ainda existem coisas lá que valem a pena serem salvas e pessoas com quem ele se importa. Por mais que Thea tenha uma resistência maior, com certeza algo dessa conversa ressoou com ela, porque ela logo se junta ao resto do grupo, escolhendo ficar com o único membro da sua família que está realmente vivo, Oliver.

Com todos os cinco dispostos a ir embora, eles precisam lutar contra todos os vilões de Arrow para poder seguir. Slade, Malcolm, Darhk, soldados de Mirakuru e os ghosts do Darhk lutam, respectivamente, com Oliver, Thea, Sara, Ray e Digg, cada um representando alguém que eles perderam. Nada nessa série vai ser mais satisfatório pra mim do que ver a Thea matando o Malcolm, só se eles fizerem isso acontecer no mundo real mesmo, porque eu venho gritando sobre isso desde que ele começou a se intrometer na vida dela. Sério, Thea matando Malcolm e a Sara matando o Darhk é como eu queria que todos vilões fossem derrotados.

A última prova para eles irem embora é Laurel aparecendo, implorando para Sara e Oliver ficarem. Sara se despede da irmã mais uma vez, ela já aceitou que não tem como recuperar a Laurel e, como ela diz, “algumas coisas não podem ser consertadas”, meus momentos preferidos da Laurel sempre envolveram a Sara, então fiquei muito feliz de ver as irmãs juntas por uma última vez. Por fim, Oliver também se despede de Laurel, dizendo que ele não é o homem que ela amava, mas que a ama e foi embora.

Apesar desse episódio ter tido muito mais cenas Oliver/Laurel do que eu idealmente gostaria, não podemos esquecer que a Laurel foi realmente importante para Oliver, mas agora é hora de encerrar essa história e deixá-la para trás. Indo em direção ao Smoak Technologies, que é portal para a realidade, porque nós amamos simbolismos. Os escritores estão movendo as coisas BEM lentamente em direção a Olicity, mas o que não faltou nesse episódio foram referências ao casal, tanto na repetição de um diálogo de Olicity com Lauriver, quanto nas visões que o Oliver teve quando a viu, mas também só o fato do prédio dela ser o jeito de sair dali. É bem claro onde eles querem chegar, agora os escritores só precisam melhorar esse caminho aí.

Antes de ir embora, Oliver ainda vê todos os que ele ama e perdeu – de um jeito ou de outro – falando frases significativas para ele, e ele vai embora para o mundo real.

dc crossover part 2

Os cinco que estavam presos acabam saindo do mundo de sonho, mas ok, eles ainda estão presos em uma nave espacial. É por isso que, na outra metade do episódio, nós temos todos os outros personagens do crossover trabalhando em conjunto para tentar encontrá-los e resgatá-los.

Só queria notar minha irritação que a Felicity estava totalmente despreocupada no início do episódio, como se cinco pessoas importantes para ela não tivessem acabado de ser abduzidas. Dentre todos os personagens, Felicity é a mais próxima dos sequestrados, e soou muito estranho ela fazendo piadas com um ar leve, sem nem o mínimo ar de preocupação, quando nós sabemos que ela costuma se preocupar sim quando eles estão em uma missão.

Mas tudo bem, temos Felicity bem animada, junto com o Cisco e o Curtis tentando decifrar tecnologia alienígena para poder descobrir onde os outros estão. Ver os três juntos foi divertido, juntos eles conseguem avançar bastante, mas precisam de alguma coisa tecnológica que está com alguém do Mal, que está usando tecnologia para transformar o próprio corpo ou algo louco assim, e então precisam da ajuda do resto da equipe. Para o desgosto de Rene, que aparentemente odeia não-humanos, Barry e Kara se juntam a ele, Rory e Curtis para poderem vencer mais facilmente. Só queria dizer que a Kara provavelmente poderia ter ido lá sozinha e derrotado, né, todos nós sabemos que, a não ser que tenham uma kriptonita, ela é bem mais forte que todos os outros juntos. Mas vamos deixar o Rene interagir com eles, só para ficar sendo mal-educado. Kara não merece esse desrespeito, ela veio de outro universo só para ajuda!

Juntos eles conseguem trazer a tecnologia que faltava para poderem acessar a outra tecnologia alienígena, só para se depararem com um código estranho. Para a sorte deles, Felicity e Rory são judeus e reconhecem aquilo como guemátria, também conhecido como numerologia judaica, que existe na Torá, e Felicity consegue desvendar e encontrar onde eles estão: no espaço. É então que o resto do pessoal de LoT aparece com a nave deles e resgata os outros cinco, bem a tempo de salvá-los dos aliens, yay, timing é tudo.

Leia aqui a review da continuação do crossover em Legends of Tomorrow!

O Melhor:
+ Moira!!!!
+ Oliver com os pais! Thea com os pais! Família Queen reunida!
+ Sara se despedindo da Laurel
+ Aliás, por favor, deixem a Sara voltar para Arrow, eu imploro!
+ Thea matando Malcolm!!!!!! Lágrimas de felicidade escorreram pelo meu rosto nesse momento.
+ Trajetória do Oliver ficando tão clara e tão linda nesse episódio. Ele pode não ser quem ele imaginava que teria se tornado, mas ele é um herói e continua sendo.
+ Referências a Olicity
Várias referências a primeira temporada! E ao Tommy/Colin (dizendo que ele virou médico em Chicago, porque o ator faz a série Chicago Med agora)


O Pior:
- Apagaram a bissexualidade da Sara. Olá, ela e o Oliver namoraram? Ela e o Snart tiveram algo romântico nem um ano atrás?!  Desde quando ela “prefere garotas”? Representatividade importa!
- Por que o Ray estava ali? Não acrescentou em nada, a não ser que o que os aliens “roubem” da consciência deles tenha algo que só o Ray saiba.
- A Felicity no mundo real estava totalmente OOC.  
Mais Oliver e Laurel do que eu gostaria, meh.

Nota: 9,0



Flávia Crossetti - Estudante de psicologia, carioca, feminista, leitora compulsiva, pseudo-escritora e viciada em mais séries do que deveria.


2 comentários:

  1. Melhor ep da temporada! referencias pra tudo quanto é lado, e todas as tramas muito legais(Cão Raivoso é o melhor personagem ever).

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Concordo, fiquei bem satisfeita com esse episódio, agora só espero que o resto da temporada fique bom também!

      Excluir

 
UA-48753576-1