Image Slider

quinta-feira, 24 de março de 2016

Review: iZombie 2x15 - "He Blinded Me With Science"

Atenção: A resenha abaixo contém spoilers do episódio  "He Blinded Me With Science", exibido no dia 22/03/2016!

izombie 2x15 liv

Após quase um mês de hiato, iZombie volta de forma sólida (mas não surprendente) com mais um episódio centrado no enredo, onde o caso do dia serve para ajudar a amarrar algumas pontas soltas deixando sempre espaço para indagação.

O caso do dia foi bastante parecido a uma telenovela, onde a vítima é morta pela irmã gémea (maligna?) de uma ex-cobaia que ficou desfigurada durante uma experiência por má conduta da supracitada vítima. Felizmente o caso torna-se mais interessante quando se revela que esta vítima de homicídio era funcionária do laboratório-não-tão-secreto-na-cave da Max Rager que realizava experiências bem-mais-secretas-na-cave em zombies.

Na forma de uma sopa (desta vez não muito apetecivel), Liv consumiu um cérebro que lhe permitiu ajudar Ravi a teorizar uma nova cura para a zombieficação, visto que ele não levou em consideração o consumo mitocondrial do Trifosfato de Adenosina (nada relevante para a série, mas o meu coraçãozinho nerd se alegrou por eu ter percebido minimamente o que ela quiz dizer com isso).
Babineaux é informado pela agente Dale que foram encontrados cérebros na cabana do pai de Blaine recebendo a confirmação de que tais como os primeiros que enviaram estes eram também humanos, deixando-os confusos sobre quem teria alterado o primeiro relatório recebido.

izombie 2x15

Um outro momento de alegria foi quando zombie-Blaine entra para a morgue e grita “Braaaaaains” para Ravi (se ainda não deixei claro, eles são as minhas personagens favoritas na série). Ravi oferece restos do cérebro da cientista ao Blaine que também se torna inteligente o suficiente para lembra-lo que ele não levou em consideração o consumo mitocondrial do Trifosfato de Adenosina (juro que já n repito isso!) e explica a ele que após a re-zombificação existe um periodo de declínio, culminando na morte.

Major descobre que a maçã não caiu longe da macieira quando é informado por Vaughn que Rita é sua filha durante um acesso de raiva alimentado pelo seu consumo contínuo de SuperMax e um duvidoso instinto paternal. Com uma nova lista, Major busca Blaine que imediatamente entrega Drake como vítima por este não lhe ter informado que Mr. Boss estava no seu encalço e a notícia de que ele já regrediu para zombie.

Nas experiências com zombies e SuperMax, Vaughn consegue fazer com que zombies decrépitos corram até cerca de 20Km/h. Resultando num acidente que tira a vida do seu cientista e faz com que ele abandone Rita a sua sorte.

Nada como uma boa dose de curiosidade para nos fazer descobrir o que não queremos realmente saber, Liv é um bom exemplo disso, quando nem mesmo um encontro bem sucedido no suposto emprego de Drake conseguiu amenizar as suas suspeitas. 

izombie 2x15

Colocando um rastreador nele de modos a colher dados sobre a sua rota para chegar a uma conclusão como uma boa cientísta, depara-se com Drake num lugar novo na baixa de Seattle e como uma boa stalker (que ao que parece é parte da personalidade dela e não do cérebro da ex-namorada de Babineaux) vai lá ter e descobre que Drake é funcionário de Mr. Boss.

Com os seus momentos altos e reviravoltas o episódio teve um ritmo bastante previsível preferindo voltar a tv sem grandes alterações ao formato terminando com um Blaine adoentado a injectar-se com a nova-nova-nova cura após uma boa refeição “a lá” Hannibal Lecter (cerebro acompanhado de um Chianti), Rita (ferida?) após uma luta com um zombie e com Major a raptar Drake que ia a caminho de um encontro com Liv decidida a confronta-lo sobre a relação dele com Mr. Boss.


O Melhor
+ A cena completa de Blaine com Ravi
+ Foi bom ver Liv como uma pessoa normal e ver o Ravi assustado com o novo aspecto dela
+ Claro que a musica do elevador de Vaugh seria “Everybody Wants To Rule The World”, bem a anos 80 como o título do episódio

O Pior
- A ausência de Peyton continua a ser notada por mim
- Mr. Boss não é um vilão captivante ao lado do megalomaniaco Vaughn e do maquiavélico Blaine
- Trinta minutos de informação esparsa sobre o arco da série e dez minutos intensos de informações sobre o arco está a tornar-se velho muito rápido, há que mudar o ritmo dos episódios
Nota 7,0

Paulo Sérgio Carvalho - Desenvolvedor de sistemas e eremita viciado em séries, HQ, literatura, música, cinema e todo o resto que me retire do mundo real. Luanda, Angola.

0 comentários:

Postar um comentário

 
UA-48753576-1