Image Slider

sábado, 17 de maio de 2014

Review: Reign 1x22 - "Slaughter of Innocence" (Season Finale)

Atenção: A resenha abaixo contém spoilers do episódio "Slaughter of Innocence", exibido no dia 11/05/2014!

mary stuart


O episódio começa com Henry acordando todos do castelo e exigindo que se reúnam no pátio. Lá, ele começa a fazer a ameaça de que encontrará a pessoa que o tentou matar através da sombra de sua espada. Ele realmente mata alguém que se pronuncia, ainda perturbado pela tem a visão do mesmo garoto de novo.

Ao longo do episódio, temos núcleos menores como Kenna e Bash. Ela se encontra na casa longe do reino com Pascoal, enquanto ele e Nostradamus procuram pelo 'Darkness'. A dupla encontra o local onde o monstro mantém as pessoas presas e percebe um motivo para os desenhos nas paredes: são previsões quanto a desastres naturais, e entendem que de alguma forma Pascoal é importante para o monstro. Já Kenna e o menino não demoram muito para serem achados pelo inimigo, mas logo são salvos por Bash e chega a tempo. Uma coisa que achei estranho foi como Bash conseguiu chegar ao armário que Kenna e Pascoal estavam presos, topando com o monstro só depois, sendo que o 'Darkness' estava de prontidão no armário? Bom, o fato é que o monstro justifica seus atos como a única forma de parar as pragas e atormentações dos deuses. E num movimento frio e rápido, Bash o acerta na cabeça com um machado. Parece que todos os personagens estão conhecendo seus lados mais sombrios.

kenna bash

Além disso, temos Greer e Leith. Vemos que Francis cumpriu a promessa e dá terras e etc para Leith como forma de agradecer tudo que fez, além de estarem se tornando amigos. Leith, claro, vê ali a oportunidade de ganhar de vez o coração de Greer e a mostra os documentos todo empolgado. No entanto, a lady, por mais que doa, diz que não é o suficiente, que ela precisava pensar em suas irmãs e futuros pretendentes e que seu pai aceitaria sempre a maior oferta, ou seja, de Lorde Castleroy. Nossa, que pena eu sinto desses dois. Presos num mundo de regras e deveres, sem poderem se entregar ao amor sem pensar em dinheiro. Tenho sentimentos conflituosos quanto o assunto, não só pela situação da época, mas porque Lorde Castleroy é muito bom com Greer e com certeza sairia machucado (emocionalmente, claro).

Então, quando após um acidente, Greer pensa que Leith podia ter se ferido, vemos que o sentimento dos dois é maior e acabam se beijando. Não, não comemorem ainda. Greer não vê ali uma volta, só uma chance que teve de compensar o susto ue sentiu quando achou que o tinha perdido. Ela não volta trás na decisão e diz que continuará com Castleroy. Leith fica destruído, claro, e faz questão de dizer que se tornará tudo que ela acha que precisa, só para mostrar que consegue e que nunca voltará para ela. Não gostei que ela o tenha iludido assim. Greer sabia que não podia ficar com ele, e mesmo assim o induziu a pensar que tinha mudado de opinião. Claro, eu sei, sentimentos não são tão controláveis assim, e não é fácil para ela, mas mesmo assim. Bom, Leith acaba desistindo de vez e resolve se voltar para a moça que havia conhecido mais cedo, o que ele não sabe é que ela é ninguém mais, ninguém menos que a filha de Castleroy. É, parece que a família terá relacionamentos complexos.

greer leith

Enquanto Francis tenta encontrar aliados para assumir o trono do pai sem matá-lo, Mary, Henry e Catherine vão à um evento dedicado aos heróis de guerra. Nossa, que idiotice a do Henry. Admito que os efeitos foram meio precários para a explosão, mas podemos relevar. Mas agora, que tipo de pessoa brinca de atirar canhões? Com pólvora? De verdade? Que pode matar pessoas, pessoas que acabaram de sobreviver uma batalha? Isso só mostra o quão insano ele é.  E claro que ele resolve testar de novo as pessoas, agora com um 'torneio de justa'. Durante o evento, Henry parece superinteressado em Mary e começa a cortejá-la. Já no torneio, Mary segue o conselho do tio e assume uma posição de rainha inglesa. A ideia é que, por mais que Francis tenha poder na França, ele continuaria sempre ligado ao pai louco e a melhor forma de fazer a população confiar num novo "governo" seria mostrar que eles tem uma rainha forte, confiável e que será a futura rainha da Inglaterra.

Henry, percebendo a atenção dada à escocesa, resolve participar da disputa com cavalos. E Catherine comenta o quanto Mary mudou e que preferia a antiga. A resposta de Mary? "Muitos irão. Ela era fácil de matar". A frase, já vista na promo, é com certeza impactante e vemos ai mais uma faceta de Mary. Já no torneio, a diversão de Henry dura pouco e ele é atingido, e feio. Então é revelado que quem lutava contra Henry não era o cavaleiro que tínhamos visto e sim, Francis. Sim, ele causou a morte do próprio pai, e Mary ainda diz que foi "desejo de Deus" já que era exatamente disso que precisavam. Henry está num estado grave e a única coisa que resta é a despedida dos familiares. Catherine dá adeus, o que para mim não foi tão emocional assim, até porque Henry fala em como ela e Diane podiam ser amigas. E Francis conversa com o pai a sós.

king henry

O rei conta finalmente a história do tal garoto que o assombra, quem é na verdade seu irmão mais velho. Henry confessa ter matado o irmão, que não tinha "dom" para ser rei, e como isso o persegue. Francis, então, finalmente entende o porquê do pai tentar separá-lo de Bash, e devo dizer que achei genial a referência. Muito do comportamento do Henry com relação aos filhos fica explicado e podemos ver muita da história se repetir, ou no caso, quase se repetir. O ódio que Francis sentiu de Bash, a mágoa entre eles, Francis matando alguém que ama pelo bem do país (assim como Henry) e até o Francis ter um filho bastardo, mesmo tendo sido antes do casamento. Bom, o fato é que nosso não-tão-querido rei morre e sentimos um clima de mudança no ar. Francis será rei e conseguiu prevenir o mundo das loucuras do pai, mas sente que conheceu mais do pai e seus segredos, e sente remorso. Afinal de contas ele era seu pai, e quem melhor de dividir essa dor do que Bash, com quem encontra. Francis dispensa as formalidades e abraça o irmão, formando uma bela cena.

Então Bash se encontra com Kenna, e mais uma vez expressam seu amor um pelo outro, e parece definitivo: depois do casamento forçado e feito de forma grotesca, eles realmente se amam e se importam um com o outro. No entanto, o clima é quebrado quando percebem que as 'estrelas estão caindo' e que a profecia dita pelo 'Darkness' está se cumprindo.

frary
Já Francis volta da visita ao pai e encontra a esposa. Vemos pequenas amostras da vontade de confessar seu crime e Mary quase percebe que tem algo de errado. Adorei ver como a Mary e o Francis se questionaram sobre estarem ficando mais frios à cada dia. Mary percebe que está mudando e se questiona sobre isso ser algo bom, enquanto Francis acabou de acompanhar Mary nesse caminho matando o pai. Os dois estão entrando num mundo de reis e rainhas que conseguem o que querem e não sabem como prosseguir, sem mudar ainda mais. Francis então faz um discurso ótimo sobre como eles não devem deixar essas mudanças mudá-los, afinal eles mesmos podem escolher serem bons ou não. E para tirarem esse peso do coração poderiam contar um com o outro e se abrir com seus segredos mais sombrios, para pelo menos se perdoarem (mutuamente e a si mesmos). Percebem que precisam contar com alguém para dividir o peso de suas decisões ultimamente e escolhem um ao outro. Pena que não vemos muito dessa troca, já que uma carta de Lola - que estava em trabalho de parto desde o começo do episódio - chega à Mary, revelando que a criança nascerá, precisa de ajuda e que Francis deveria saber.

Mary então revela a verdade e exige que Francis vá ao encontro da amiga para ajudá-la no parto. Sinceramente parece que a Mary é confiante o suficiente no relacionamento deles para pedir isso, afinal ela podia muito bem só mandar um médico ou ir ela mesma. No entanto, ela descobre que há uma praga se espalhando e o castelo será fechado: ninguém entra ou sai. E, apesar dela conseguir encontrar Francis antes de sair, ele decide que irá mesmo assim. Pode-se até ser feito um paralelo com a fuga de Mary e Bash (1x09).

Entendo o porquê Francis foi apoiar a Lola, até porque a Mary também queria isso por mais que doesse. Mas sempre me questiono porque eles resolvem os problemas eles mesmos. Vocês são reis e rainhas, não tem alguém que possa sair nesses perigos por vocês? Além do mais se o Francis contrair a praga, vamos perder mais um rei.... Outra coisa que me incomodou foi a forma que ele tratou a Mary, falando que aquele poderia ser seu único filho. Poxa, Francis, vocês estava super solicito e positivo que tudo daria certo, e agora quase joga na cara da Mary que ela ainda não teve um filho? Not cool.

mary stuart
O melhor
+A conversa de Mary e Francis sobre os dois estarem se sentindo mais frios e calculistas. além de Bash parecer estar indo para o mesmo caminho.
+A morte do Henry? Apesar de eu não esperar esse novo rumo da série de repente, mas não deixa de ser interessante para mais histórias.
+Mary tirando o peso das costas e contando sobre o bebê de Lola, apesar de eu ter receios quanto ao desenvolvimento da história. Quanto a Frary.
+Greer se preocupando com Leith.
+Kenna e Bash declarando seu amor.

O pior
-Relapsos em algumas cenas e explicações, como Bash salvando Kenna e o menino, e a explosão do navio.
-Francis e seu "pode ser meu único filho".
-A pseudo-volta de Leith e Greer juntos.

Nota 9,0

0 comentários:

Postar um comentário

 
UA-48753576-1