Image Slider

domingo, 20 de abril de 2014

Review: Reign 1x18 - "No Exit"

Atenção: A resenha abaixo contém spoilers do episódio "No Exit", exibido no dia 17/04/2014!




















Henry está ficando cada vez pior e só se importa com Penélope, enquanto Catherine tenta resolver tudo. Um cardeal do Vaticano aparece e faz questão de fazer negócios com Henry. Mary e Francis tentam ajudar, procurando chegar a um acordo com o religioso. Nesse momento vemos um pouco do papel da mulher ou talvez de rainha na França como menosprezado, já que o religioso se rejeita trabalhar com Catherine. No entanto, Mary parece ter a atenção do cardeal, mas as coisas se complicam. Mary recebe uma visita da Escócia que muda suas prioridades: James, seu meio-irmão, está preocupado com a linha de poder em seu país de origem, já que Marie de Guise só está contratando franceses no governo e a população se sente esquecida.

Mais uma vez entramos na discussão iniciada no episódio passado sobre a escolha entre os países. Mary mostra sua indignação com a falta de compreensão de Francis à importância da Escócia. Apesar disso prejudicar sua relação como casal, acho legal ver Mary se impondo como uma rainha e mostrando que tem prioridades. A Escócia precisa que ela esteja lá nesse momento difícil. Amei ver Francis conversando e pedindo conselhos à Bash, afinal é bom ver que os dois estão se dando bem novamente. Bash deixa claro que botaria sempre Mary e o amor em primeiro lugar, mas entendo Francis ao dizer que como rei é difícil fazer suas escolhas só pensando nisso. Francis, no entanto, tenta conciliar os assuntos que tem para resolver na França e resolver ir com a mulher para a Escócia.

frary
No entanto, algo entra no caminho: a possibilidade de estarem ameaçando a vida de Mary. Vemos Francis interrogar um homem próximo do meio-irmão de Mary, por meio de tortura, para descobrir onde ele conseguiu dinheiro dos ingleses. No fim, acabam descobrindo que o homem tinha sido contratado para matar Mary quando estivesse à caminho para seu país, e devo dizer que desconfiei de James, ainda mais quando ele insistiu que ela fosse o mais rápido. Estou dividida, porque afinal de contas, Mary tem seus argumentos: o "irmão" teve outras oportunidades e nunca fez nada contra ela. Achei que foi uma péssima escolha do Francis prender Mary na torre, só para a esposa não viajar. Entendo sua preocupação, mas acho que ele passou dos limites, não precisava tanto. Ao mesmo tempo, não sei se achei o "sempre estamos em perigo" da Mary válido, afinal o problema não é só o perigo, mas o fato dele estar dentro dos escoceses que a escoltariam, em pessoas próximas e onde ela menos esperaria. Espero que no próximo episódio, Francis e Mary realmente conversem sobre essa decisão de Francis prender Mary. Vendo a promo do episódio, o assunto não foi mencionado, mas espero que conversem sobre isso.

Nostradamus e Olivia parecem estar se dando superbem e são basicamente um casal. No entanto, a felicidade deles dura pouco: Nostradamus tem uma visão de Olivia morta em meio à corte. Ele, então, tenta fugir disso e se desvincular do governo francês, mas claro que Catherine não apoia a decisão. Uma coisa que achei engraçado foi que, para mim, o que estava rolando entre ele e Olivia era secreto, mas parece que Catherine já sabia. No final, vemos que Nostradamus desiste de fugir com a amada e quer a felicidade dela, independente de ser a seu lado. Claro que o machuca, e fiquei com pena dele ao ver que ele sempre será afetado por suas visões e a paz é algo pouco provável. Isso me faz lembrar quando ele vai contar sobre a mudança no destino de Francis e Mary, porque até agora não tocaram no assunto.

Enquanto isso, vemos um desenvolvimento na história de Lola e Lorde Julien. Os dois se casam e parecem fofos juntos. No entanto, Lorde Julien parece preocupado com a viagem e seus acordos em relação ao dinheiro de Lola, quem acaba ficando desconfiada. No final, os dois entram em um acordo de que o que importa é o presente e que se amam. A verdade é que acho que tem algo mais nisso tudo, até porque sempre tem um drama para atrapalhar a felicidade dos casais. Por mais que me doa, acho que Lorde Julien pode estar falido e esteja casando com Lola por causa de sua herança. Pensando nessa teoria, outra coisa me preocupa: e se seus dois últimos casamentos tenham sido com o mesmo propósito? Será que suas mulheres morreram tão naturalmente assim?

Greer não aparece muito, mas fiquei me perguntando quando seria seu casamento. Aparentemente Lorde Castleroy está viajando, mas o que me intrigou, foi que ela parecia estar reclamando de não casar com alguém da sua idade. Foi ela que o escolheu, não achei que fosse tão problemático. Mas entendo que, com a confusão dela ter sido flagrado com Leith, ela não foi deixada com muitas opções. Já Kenna e Bash continuam tentando fazer seu casamento dar certo, e devo dizer, que acho que estão conseguindo. Bash até dá o anel de sua mãe para a esposa, e Kenna faz um acordo com Catherine que os dá mais liberdade longe da corte. Os dois até se beijam no final! Tomara que dê tudo certo.

Bom, falando do acordo... Catherine decide acabar com a ameaça de ter Penélope ao lado de Henry, então monta um plano com Lady Kenna. A ex de Henry confronta Penélope falando formas de aumentar o prazer de Henry, como o colocar na posição de cruz em suas orgias. A "rainha" cai direitinho e vemos uma confusão em torno disso. Henry fica bem desconfortável, um "cardeal" aparece com Catherine e fala sobre o desrespeito à Deus ao estar nessa posição. Achei bem legal a forma de trazer a dita vontade divina que botava os reis em seus tronos naquela época. Henry fica transtornado, e Catherine consegue com que Penélope volte à trabalhar na cozinha. Parece que a loucura de Henry está se tornando algo sério: ele está completamente perturbado e fica tendo alucinações com um homem. Fico me perguntando quem é. Será que o rei tem algum passado tenebroso de que se arrepende?





















O melhor
+Kenna e Bash se entendendo.
+Penélope fora da corte, finalmente.
+Francis apoiando Mary a ponto de temer pela tomada de poder na Escócia.
+Mary sendo forte e fiel à seu país, questionando Francis quanto ele aceitar o que é importante para ela, e não na França.

O pior
-Exagero do Francis ao trancar Mary na torre.

Nota 8,5


0 comentários:

Postar um comentário

 
UA-48753576-1